Novo blog

03/03/2012

Olá pessoal, deixarei de publicar meus posts neste blog do wordpress e passarei a usar o blogspot, portanto, o novo endereço e’ :

http://macielbombonato.blogspot.com

Vlw gente e espero as visitas e comentários lá.

Abs.


Motorola defy rooting android 2.2.1

02/23/2012

Eu estava pesquisando na net formas de obter acesso root no meu defy com android 2.2.1 e achei o seguinte post:
[Rom] Cyanogenmod 7 – 2.3.7 Defy

Este foi o post mais completo, fácil e seguro que achei de realizar o processo, inclusive, para quem quiser fazer a atualização para o android 2.3.7 custom ROM cm7, pra mim funcionou muito bem e o aparelho fica muito, mas muito melhor mesmo.

Para evitar o risco dos links do post do amigo quebrarem, eu baixei aqui os arquivos necessários para fazer o root e o boot de configuração:
GingerBreak
SndInitDefy-1.4.2

Obs.:
– Para baixar os arquivos, clique com o botão direito no link e em seguida, “Salvar link Como”;
– Retire a extenção GIF antes de utilizar os arquivos e conserve a extenção apk;
– Para o rooting, use apenas o GingerBreak, o outro link será necessário apenas para iniciar o processo de troca de ROM;

Para fazer o rooting é muito simples:
1. Copie os arquivos acima para seu SDCard (na raiz pra ficar mais fácil);
2. Vá em configurações, Aplicativos, Desenvolvimento e habilite a opção Depuração USB;
3. Com algum programa de exploração de pastas, como o ASTRO, por exemplo, localize o GingerBreak e execute-o;
4. Após a instalação, abra o programa e clique no primeiro botão (Root Device);

Pronto, o processo de rooting vai se conduzir sozinho e reiniciará o aparelho.

Eu aconselho que o vídeo do post mencionado acima seja visto, o artigo do camaradinha é muito bom e completo.

OBS.: Para quem quiser instalar o CM7 seguindo o tutorial acima, após a instalação, use a banda da Claro mencionada no tutorial, eu sou usuário VIVO e pra mim funcionou perfeitamente com aquela opção. A banda “Viva” não funcionou muito bem.

Espero ter ajudado e fiquem a vontade pra comentar o post.


CSS media type

01/20/2012

Ao criar uma página HTML, é possível fazer com que o visual da página seja diferente para diversos tipos de dispositivos de apresentação.

Uma forma bem simples de fazer isso é usando o parâmetro media ao criar o CSS na própria página ou no import de um arquivo CSS.

Abaixo dois exemplos básicos:

<style type="text/css" media="print">
body {
Background-color: #FFFFFF;
}
</style>
<style type="text/css" media="screen">
body {
Background-color: #CCCCCC;
}
</style>

Isso fará com que o fundo da página seja branca na página de impressa (OBS.: Os browsers costumam vir por padrão com a opção de impressão de imagens e cores de fundo desabilitada, ou seja, se outra cor fosse colocada, com essa configuração padrão, o fundo permaneceria branco) e na tela o fundo será um tom de cinza.

Quando não incluímos a opção media na criação do CSS, por padrão, seria como se tivessemos atribuido o valor “all” para esta propriedade.

Para importar um arquivo de estilos, o padrão é o mesmo:

<link rel="stylesheet" href="css/impressao.css" media="print" />
<link rel="stylesheet" href="css/tela.css" media="screen" />

Essa é a parte tranquila e básica da história, agora pode ocorrer a necessidade de fazer com que um HTML tenha que aparecer na tela de um jeito, ser impresso de outro e ainda ser enviado por email de outro jeito.

Este terceiro ponto pode ser um problema.

Navegando por sites a procura de coisas sobre o assunto encontrei o seguinte link que descreve um pouco a compatibilidade de cada programa de email com folhas de estilos:
Guide to CSS support in email

Para alguns pode ser bastante desanimador ao ver isso, e uma solução simples de implementar que achei de fato é descepcionante, mas, funcionou no caso de páginas JSP.

No meu caso, criei uma página JSP que recebe um parâmetro informando se ela será usada em um email ou não e ai, quando ela deverá ser utilizada no email ao invés de importar uma folha de estilos eu incluo o estilo diretamente no objeto, conforme exemplo abaixo:

... Código
<td <%= email ? "style='text-align: left;'" : "class='tdDiferente'"%> >
... Código

É uma forma bem chata de tratar isso, mas no meu caso foi eficiênte, caso alguém tenha mais sugestões, eu agradeço o envio.


Assinando um JAR (JAVA WEB START)

11/22/2011

Toda vez que criamos uma aplicação Java Web Start e precisamos que esta aplicação tenha alguns acessos a máquina cliente, é necessário incluir no arquivo JNLP a seguinte instrução:

<security>
<all-permissions/>
</security>

O problema é que feito isso, é necessário assinar os jars que estão na lista que deve ser entregue a máquina cliente, abaixo criei um tutorial bem simples de como fazer isso.

– Primeiro – no diretório onde estão os jars, digite a linha de comando que segue:

keytool -genkey -alias macielbombonato -keystore macielbombonato.cert

– Escolha a senha (minimo de 6 caracteres):

Enter keystore password:
Re-enter new password:

– Responda o questionário:

What is your first and last name?
[Unknown]: XXX
What is the name of your organizational unit?
[Unknown]: XXX
What is the name of your organization?
[Unknown]: XXX
What is the name of your City or Locality?
[Unknown]: XXX
What is the name of your State or Province?
[Unknown]: XX
What is the two-letter country code for this unit?
[Unknown]: XX

Is CN=XXX, OU=XXX, O=XXX, L=XXX, ST=XX, C=XX correct?
[no]: yes

Esses passos acima vão criar um certificado na pasta onde os jars estão, agora é necessário assinar cada um dos jars com esse certificado, para isso, basta utilizar a linha de comando abaixo:

jarsigner -verbose -keystore macielbombonato.cert -storepass 123456 -keypass 123456 MeuJarAssinadoWebStart.jar macielbombonato

Caso não queira incluir as senhas nas linhas de comando para assinar os jars, basta não utilizar os parâmetros -storepass e -keypass, com isso, a senha será solicitada antes do jar ser assinado.

Dúvidas/Sugestões, por favor, comente este post.


Configure Proxy para subversion

07/01/2011

Essa dica vale pra quem precisa configurar proxy para utilização do subversion no sistema operacional como um todo ou para a utilização do plugin do eclipse o subclipse.

Para quem estiver utilizando o sistema operacional Windows, um amigo achou na net a seguinte referencia: http://ykyuen.wordpress.com/2010/03/09/eclipse-configure-proxy-for-subclipse/

Abaixo irei colocar o texto retirado deste site para o caso do post algum dia sair do ar.

The Eclipse proxy setting does not apply on subclipse. So you cannot connect to a SVN repostory outside your firewall even you have set the proxy in Eclipse.

Luckily, i found the solution in MKVille Blog – Using Subclipse Behind a Proxy Server.

For Windows XP user

Open the C:\Documents and Settings\\Application Data\Subversion\servers
Configure the http-proxy-host and http-proxy-port settings under the [global] tag

For Windows 7 user

Open the C:\Users\\AppData\Roaming\Subversion\servers
Configure the http-proxy-host and http-proxy-port settings under the [global] tag

Done =)

Agora a pergunta, porque estou reescrevendo este post?

Para dar a dica para quem usa mac (ou linux).

No caso, basta realizar basicamente os mesmos passos que o autor do post original comentou, porém, usuários de mac devem usar o seguinte endereço:

/Users/[nome_do_usuario]/.subversion

Agora só preciso arrumar um tempo pra montar uns scripts pra ativar e desativar o proxy para quem é consultor e vai e vem para clientes.

Espero que este post ajude mais alguém.


Utilizando Git (Versionador) local

04/04/2011

Versionando um diretório com git.
Dentro do diretório executar o comando: git init

E depois:

git status
– status do branch selecionado

git branch
– exibe todos os branchs e marca com um asterisco o que está selecionado.

git add
– . (ponto) adiciona todos arquivos que estão pendentes
– [nome do arquivo] adiciona um arquivo específico

git checkout -b [nome do branch]
– cria um branch

git commit -am “[mensagem]”
– commit das alterações

git checkout [nome do branch]
– altera do branch atual para o branch mencionado

– Para pegar as alterações do branch master para outro branch qualquer:
git checkout [nome do branch]
git rebase master

– Para mandar as informações de um branch qualquer para o master:
git checkout master
git merge [nome do branch]

+ Para o caso do branch master ser remoto:
– Para atualizar seu master local:
git checkout master
git pull origin master

– Para atualizar o branch master remoto com suas alterações locais:
git checkout master
git push origin master


Instalação/Preparação do Diaspora para desenvolvimento

03/29/2011

Primeiros passos, preparando a casa:

Instalação do rvm: bash < .rvmrc
cd .
rvm gemset create ‘diaspora’
cd ..
cd diaspora

Confirme as mensagens que aparecem.

bundle install

Tire a palavra exemplo do nome do arquivo database.yml, certifique-se de que as configurações de banco de dados que estão no arquivo conferem com as da sua máquina.

Tire a palavra exemplo do nome do arquivo app_config.yml.

No terminal execute o comando: rake db:create db:migrate

Pronto!

Agora é só personalizar a aplicação.